contato@sindesep.org.br(83) 3221-5350

Piso salarial da enfermagem é aprovado pela Câmara dos Deputados

O projeto deve seguir para a sanção do presidente Jair Bolsonaro (PL), mas ainda depende de acordo sobre fontes de financiamento.

05/05/2022 08h19 19

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

A criação do piso salarial da enfermagem, para enfermeiros, técnicos e parteiras, foi aprovada nesta quarta-feira (4) pela Câmara dos Deputados, por 449 votos favoráveis a 12 contra. O Projeto de Lei 2564/20 deve seguir para a sanção do presidente Jair Bolsonaro (PL), mas ainda depende de acordo sobre fontes de financiamento.

O projeto aprovado pelos deputados define como salário mínimo inicial para os enfermeiros o valor de R$ 4.750, a ser pago nacionalmente pelos serviços de saúde públicos e privados. Nos demais casos, haverá proporcionalidade: 70% do piso dos enfermeiros para os técnicos de enfermagem; e 50% para os auxiliares de enfermagem e as parteiras.

“Conforme assumido com a enfermagem brasileira, não será na semana que vem que este projeto seguirá para sanção presidencial, mas sim tão logo garantirmos o respectivo financiamento”, disse a relatora do PL, Carmen Zanotto (Cidadania-SC).

A deputada disse ainda que o piso salarial somente irá à sanção após a votação da Proposta de Emenda à Constituição 122/15, do Senado Federal, que proíbe a União de criar despesas aos demais entes federativos sem prever a transferência de recursos para o custeio.

IMPACTO FINANCEIRO

O texto prevê também a atualização monetária anual do piso da categoria, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Será assegurada a manutenção de salários eventualmente superiores ao valor inicial sugerido, independentemente da jornada de trabalho para a qual o profissional tenha sido contratado.

A votação da proposta foi acompanhada de perto por representantes da categoria, que também participaram pela manhã de uma sessão solene no Plenário em homenagem à Semana Brasileira da Enfermagem.

Carmen Zanotto estimou que a proposta tem impacto de R$ 50 milhões ao ano na União, mas não calculou os gastos dos entes públicos e do setor privado. Ela afirmou que o Congresso vai viabilizar recursos para garantir o piso salarial.

“Já tramitam nas duas Casas diversas propostas que ampliam receitas ou desoneram encargos; além da ampliação de recursos a serem repassados pelo Fundo Nacional de Saúde para reforçar as transferências aos entes federados”, explicou a deputada. 

MOBILIZAÇÃO DA CATEGORIA 

Segundo o deputado federal Bohn Gass (PT-RS), é preciso manter a mobilização dos enfermeiros para garantir que não haja veto do presidente. “Esta mobilização precisa continuar para que, votado no dia de hoje, o piso para a enfermagem não tenha por parte de [Jair] Bolsonaro o veto, já que Bolsonaro tem vetado questões importantes”, disse.

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), destacou que o governo está empenhado em buscar fontes de financiamento para o piso salarial e que uma opção pode ser a legalização dos jogos de azar no País.

“São R$ 16 bilhões que estão aguardando a fonte de recursos, e nós estamos trabalhando demoradamente e insistentemente na busca de recursos para garantir que as conquistas sejam efetivas”, declarou.

MAIORIA FAVORÁVEL 

O projeto teve o voto favorável da ampla maioria da Casa. Apenas o Novo declarou voto contrário. O líder do partido, deputado Tiago Mitraud (MG), criticou a proposta por ter alto impacto orçamentário.

“Este projeto vai acabar com a saúde brasileira porque vamos ver as santas casas fechando, leitos de saúde fechando e os profissionais que hoje estão aqui lutando pelo piso desempregados porque os municípios não conseguirão pagar esse piso”, afirmou.

Fonte: Diário do Nordeste

05/05/2022 08h19 19