contato@sindesep.org.br(83) 3221-5350

Especialistas dizem que variante brasileira tem potencial de reinfectar quem já teve Covid

Nova variante já está em oito países. Cinco estados brasileiros estudam casos suspeitos; Amazonas e São Paulo já confirmaram a reinfecção pela mutação.

01/02/2021 11h52 228

Foto: AP Photo/Fernando Vergara

Especialistas que acompanham a evolução do novo coronavírus afirmam que a variante chamada de P.1, identificada em Manaus no começo do ano, tem potencial para infectar pessoas que já tiveram a Covid-19. Entretanto, a análise exige cautela e os pesquisadores aguardam estudos conclusivos.

A imunologista Ester Sabino, pesquisadora do Instituto de Medicina Tropical-USP, participou de um artigo internacional sobre o “ressurgimento” da Covid-19 em Manaus, publicado na revista científica “The Lancet”.

Uma das possibilidades avaliadas pelos cientistas é que as novas linhagens do SARS-CoV-2 podem escapar da imunidade gerada em resposta à infecção anterior. O artigo já relata que houve ao menos um caso de reinfecção em Manaus associado à linhagem P.1.

No país, além de Manaus, o estado de São Paulo confirmou mais três casos dessa nova variante. Cinco estados estudam casos suspeitos: Santa Catarina, Paraná, Ceará, Acre e Mato Grosso do Sul.

Mellanie Fontes-Dutra, idealizadora da Rede Análise Covid-19, doutora em neurociências e pesquisadora pós-doc em bioquímica na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, explica que a variante P.1 pode ser a responsável pelos casos de reinfecção.

Variante encontrada em oito países

O último boletim epidemiológico da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado nesta semana, informou que a variante brasileira já está em oito países. O documento diz que a transmissão acelerada no Brasil levanta preocupações, mas que mais estudos ainda são necessários “para avaliar se há alterações na transmissibilidade, gravidade ou atividade neutralizadora de anticorpos como resultado destas novas variantes”.

“No Brasil, onde a variante foi inicialmente identificada além da detecção em um grupo de viajantes do Brasil para o Japão, o número de novos casos semanais nas últimas duas semanas é relatado em níveis mais elevados em comparação com o de setembro a novembro de 2020, e novas mortes semanais aumentaram desde o início de novembro de 2020”, explicou a OMS.

Fonte: G1

01/02/2021 11h52 228